31 de mayo de 2011

NEL - Delegación México D.F. - Radar Año 4 Nro. 67


Radar 67
Una señal virtual del Psicoanálisis de la Orientación Lacaniana en México

Editorial

Estimados lectores:

Ya en la recta final rumbo al V Encuentro Americano, contamos con la estupenda noticia de que las inscripciones están cerradas debido a que se ha completado el cupo posible de inscriptos, 1400!! Un éxito de convocatoria que felicitamos calurosamente.
Tal como venimos haciendo en las últimas ediciones, este número de Radar presenta una serie de breves aportaciones que surgieron en torno de la convocatoria del V ENAPOL:

La salud para todos -no sin- la locura de cada uno (a la luz del psicoanálisis)

La primera corresponde a nuestra colega Marcela Almanzay recoge una problemática de mucha actualidad y preocupación en términos de salud pública – salud mental y también de opinión pública aquí en México como es el tema de las conductas suicidas en adolescentes, pero a la luz de una tensión entre las prácticas según procedan conforme a la inclusión o no de la singularidad y las consecuencias de cada perspectiva.
Seguidamente encontrarán el texto de Susana Dicker,Una oferta... no como las otras en el que partiendo de una viñeta clínica, -más aún de un dicho de una paciente psicótica-, articulará una cita del curso Extimidad de Jacques Alain Miller, donde da cuenta que el concepto deextimidad "designa un hiato en el seno de la identidad consigo mismo", allí donde "...este Otro (...) en el seno más afirmado de mi identidad conmigo mismo, me agita"

Haciendo serie con el último par de textos publicados en elRadar anterior, presentamos la aportación de Marita Hamann titulada La locura para todos, no sin la singularidad de cada uno, donde se ve claramente cómo el psicoanálisis sostiene una lógica no segregativa, guiada por una clínica del detalle que escapa a cualquier clasificación que pretenda olvidar la singularidad con la que cada sujeto se las arregla con lo real.

Quedan otras aportaciones tan ricas e interesantes como éstas que hemos compartido, y de las que iremos dando a conocer su ubicación en la Web para quienes estén interesados en conocerlas. Agradecemos a Piedad Spurrier, Alicia Arenas, Laura Arciniegas y María Elena Lora el excelente trabajo de moderación de este Boletín Preparatorio.

Finalmente, incluimos un texto de Jorge Chamorro, quien estuvo de visita el pasado fin de semana en la ciudad de México con una serie de actividades diversas que convocaron gran cantidad de público y que nos posibilitaron una experiencia de enseñanza y trasmisión del psicoanálisis que fue un verdadero privilegio. El texto que compartimos se titula Cómo vivir juntos: el lapsus de las comunidades idiorrítmicas y en él se interroga, partiendo de una referencia al curso de R. Barthes del que toma su título, el vivir juntos y el punto de imposible de la convivencia, perspectiva necesaria a incluir en toda propuesta que se presuma y espere alguna terapéutica posible de los sufrimientos que pueden presentarse en los lazos afectivos que establecen las personas. El psicoanálisis tiene su lugar poniendo en el centro de cualquier "nosotros" la singularidad de los sujetos.
El próximo Radar contará con las reseñas, comentarios y variaciones sobre el trabajo compartido con J. Chamorro en los últimos días, mismo que agradecemos enfáticamente y que nos deja con ese entusiasmo genuino, -que es causa, que dirige, decide y orienta- del que nos hablaba en su libro Ecos entre el psicoanálisis y la literatura, y que ahora nos trasmitió "en vivo" en estos espacios.

Auguramos, como siempre, una provechosa experiencia de lectura

Ana Viganó

Moderador Radar

Contribución de Marcela Almanza

Hace poco llegó a mis manos una revista de estudios sobre la juventud, editada por un organismo oficial de la Ciudad de México, que me hizo pensar una serie de cuestiones en torno al tema que nos ocupará...
> Más información

Una oferta... no como las otras
Por Susana Dicker

El próximo ENAPOL nos convoca a abordar el punto mismo de la diferencia entre los principios del psicoanálisis y la oferta del discurso del amo, esta vez encarnada en la oferta de Salud Mental para todos...
> Más información

La locura para todos, no sin la singularidad de cada uno
Por Marita Hamann

Hace años atrás cayó en mis manos un libro en el que el autor narraba varias anécdotas sobre Lacan; una de ellas relataba un encuentro para efectuar la supervisión de un caso clínico...
> Más información

Cómo vivir juntos: el lapsus de las comunidades idiorrítmicas
Por Jorge Chamorro

Es el título del seminario de Roland Barthes 1976-1977 que interroga el vivir juntos. Partir de allí supone que dicho vivir no es un dato natural. Hay, entonces, formas de vivir juntos...
> Más información



Freudiana nº 61

Sede de Barcelona

Diagonal 333, 3º 1ª · 08037 Barcelona

Tel. 932 075 619 · Fax 934 593 254

cdcelp@ilimit.es

Sede de Tarragona

Fortuny 23, 1º · 43001 Tarragona

Tel. 977 217 312 · Fax 977 237 318









VIII Congreso AMP / Buenos Aires 2012 / Inscripción en Río de Janeiro / Inscrições no Rio de Janeiro


VIII Congreso AMP / Buenos Aires 2012
Inscripción en Río de Janeiro

Queridos colegas, queremos informarles que durante el V Enapol en Rio de Janeiro, los días 11 y 12 de junio, ustedes podrán inscribirse al VIII Congreso de la AMP a realizarse en Buenos Aires, del 23 al 27 de abril de 2012. Contaremos con un stand para tal fin, donde además podrán recibir toda la información que necesiten. Les recordamos que el pago de la inscripción tiene que efectuarse en dólares, 400 dólares para los miembros 200 dólares para los no miembros. Ustedes pueden encontrar toda la información en nuestro sitio web entrando aquí.
Los esperamos!!!

Inscrições no Rio de Janeiro
Queridos colegas
Queremos informar-lhes que durante nosso Enapol no Rio de Janeiro, nos dias 11 e 12 de junho, vocês poderão se inscrever no VIII Congresso da AMP, a realizar-se em Buenos Aires, de 23 a 27 de abril de 2012. Contaremos com um stand para tal fim, onde, além disso, poderão receber toda a informação que necessitem. Lembramos que o pagamento da inscrição deve ser efetuado em dólares: 400 dólares para os membros e 200 dólares para os não membros. Lembramos que podem encontrar toda as informações em nosso site, entrando aqui.
Esperamos vocês!!!



PERIODICO DEL FORO


Estimados Colegas

Como antesala hacia el Foro II Las Servidumbres Voluntarias, a realizarse en Madrid el 11 de Junio de 2011,hemos lanzado un periódico en papel y digital que lleva por título: ¿Quién le teme al evaluador feroz?
y que se puede ver y bajar de la Web de la ELP.

Cuenta con artículos de colegas y entrevistas realizadas a psiquiatras, pedagogos, periodistas, filósofos, escritores y evaluadores.
Además cuenta con ilustraciones de pintores y fotógrafos que han colaborado con ilustraciones.

Que lo disfrutéis

Ana Lía Gana
Directora

La lettre en ligne de l'ECF - juin 2011


Voici la Lettre en Ligne de juin 2011: les enseignements se terminent en beauté au local de l’ECF
et la rencontre Pipol 5 se prépare jusqu’au dernier instant à Gerzat et à Nice.






LAPSUS



Caros colegas,


Estamos enviando o lançamento de LAPSUS
- NÚMERO 0

Compartilhamos com vcs este novo projeto do IPB.

Não deixem de conferir!!!!

Christianni Matos - Equipe Lapsus








EDITORIAL
“Quando [...] o esp(aço) de um laps(o) já não tem nenhum impacto de sentido (ou interpretação), só então temos certeza de estar no inconsciente” . A partir desta citação de Lacan, apresentamos a vocês a proposta de LAPSUS; um lugar para ideias e opiniões, destinado a fazer parte do dia a dia dos estudantes do IPB, dos praticantes do Centro Psicanalítico de Consulta e Tratamento – CPCT, dos participantes dos Núcleos de Investigação do Instituto, bem como aos participantes em geral das atividades da EBP – BA. Em outras palavras, encorajar todos a injetar significantes em torno do furo e assim, possibilitar a construção de algo novo e singular.
Nossa ideia é convidar este conjunto de pessoas a escrever sobre algum tema do seu interesse, sobre textos no qual tenha trabalhado, ou que seja de interesse comum aos colegas do IPB. Comentar ou até mesmo relatar alguma conferência, simpósio ou seminário que participou, trazendo assim sua contribuição.
Está assim criado LAPSUS, um lugar destinado a abrir espaço para que todos possam participar dos temas que circulam no Instituto. Enfim, colocar por escrito suas ideias e interesses para debater com seus pares, e assim fazer ressoar os significantes que balizam a Teoria Psicanalítica.
Aproveitamos a oportunidade para anunciar e dividir com vocês o exemplar Número Zero deste projeto, que consta de dois textos, além deste editorial. O primeiro escrito por Anderson Viana, ex-aluno do IPB, que nos traz um testemunho sobre sua chegada ao Instituto, assim como seu percurso até encontrar-se com a psicanálise; e o outro texto, escrito por Ethel Poll, praticante do Centro Psicanalítico de Consulta e Tratamento, que traz suas reflexões sobre o que foi discutido na última reunião do CPCT.
LAPSUS é de todos nós! Venham se juntar e participar deste projeto, e com isso estabelecer um intercâmbio de ideias que desejamos estabelecer com aqueles que se interessam pela psicanálise. Sejam bem – vindos!
Christianni Matos
Equipe: Anderson Viana, Christianni Matos,
Ethel Poll, Júlia Solano e Rogério Barros.
Consultores: Bernardino Horne e Ricardo Cruz
COMO CHEGUEI AO INSTITUTO: UMA BREVE HISTÓRIA CONTADA EM TEMPO LÓGICO
Anderson Veloso Viana
Em meados da penúltima década estava no inicio da minha graduação em psicologia. Passeando na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas vi um movimento que me atraiu pela diferença. As pessoas me pareceram um pouco mais convictas. Ao chegar à sala onde acontecia o evento alguém de cabelos pretos e fortes falava castelhano para uma plateia atenta. Surpreendentemente comparava o analista a um bobo da corte! Num pequeno intervalo, brincando, atribuiu desejo a um gravador que não funcionava! Ela disse que ele não queria trabalhar. Tudo era um pouco mais estranho do que imaginava encontrar no início de um curso de psicologia. Diferente demais para quem já precisava reordenar o mundo tal como o conhecera antes. Um dado interessante era que eu já frequentava um analista nesta época, mas não tinha interesse algum em teorizar sobre aquela falação que me obrigavam. Perturbações da juventude! No entanto, não passei imune àquela visão. Observando uma regularidade nos eventos fiz a seguinte questão: por que essa gente se reúne assim aqui dentro? Não pude levar este questionamento adiante e numa mistura irresistível de sentimentos, um trauma mesmo, preferi esquecer.
Não me lembro exatamente porque, mas tempos depois descobri que essa mesma gente se reunia também fora dali, e com mais regularidade ainda. Neste tempo, Já não dava pra ver ou escutar muita coisa, mas me lembro da pessoa que seria minha professora ainda nesta mesma década. Visitando o que eles chamavam de Escola, por pura curiosidade, tive a oportunidade de conversar um pouco com ela. Não me lembro do que conversamos, mas lembro que o fizemos. O tempo passou e eu já era um aspirante de cientista quando fui seu aluno. O que ela falava em sala de aula fazia pouco sentido pra mim. Fui trabalhar, longe, ensinando ciência. Bom, ainda bem que um raio pode, às vezes, cair outra vez no mesmo lugar. Aliás, muitas vezes.
Depois de uma decisão tomada em análise, resolvi fazer o curso de formação que acontece às terças-feiras. Uma coisa me parece decisiva para o que aconteceu lá. Vinha de um longo percurso. Assim, acho que pude tirar o melhor de tudo que
começava a ver. O inconsciente tornou-se aos poucos uma crença e, principalmente, uma aposta para mim. Ir as aulas já era uma escolha que começava a construir. Uma (divan)tade de recuperar o tempo perdido crescia muito forte. O ano passou reencontrei a mesma professora, naquela mesma Escola, em uma quarta-feira de manhã e ela repetiu meu nome da maneira que fizera algumas vezes durante os anos de graduação: Anderson! Um pouco mais enfática desta última vez, afinal, algo não encaixava definitivamente. Meu nome é proparoxítono e chamá-lo com doçura é uma dificuldade inerente a esta condição.
Não teve mais jeito, tudo começava a fazer sentido. Continuo aprendendo e, principalmente, continuo fazendo análise. Recentemente tive a oportunidade de estar na aula de inauguração do curso de especialização da escola. Nesta aula, Marcelo transmitia algo da psicanálise para aqueles que começavam esta jornada falando do “efeito sujeito”. Algumas coisas pude guardar para mim e que tem tudo a ver com a história que lhes conto. Ser ou não ser é uma pergunta que se faz olhando para a morte e só há sujeito se houver dúvida. Se a certeza não vacila ela é da ordem do real. Em um momento especial, falando de Sócrates, disse que este não foi analista porque não tinha a hipótese do inconsciente. Esta é uma boa evidência de que, para os gregos, a ideia de uma “alma em mim”, representada pelos ideais da Polis, os engessava perigosamente. Por fim, gostaria de citar Lacan quando fala da dimensão trágica da experiência psicanalítica em um parágrafo precioso que tive a oportunidade de ler recentemente. Segundo ele, o que o analista tem a dar, “contrariamente ao parceiro do amor, é o que a mais linda noiva do mundo não pode ultrapassar, ou seja, o que ele tem. E o que ele tem nada mais é do que seu desejo, como analisado, com a diferença que é um desejo prevenido”. (Jacques Lacan, livro 7, p. 360) O “efeito sujeito”, ou o sentimento de “minha alma”, pode acontecer no amor de transferência se o inconsciente estiver no horizonte. Bom, esta é uma história da redescoberta de que o saber não está em lugar algum, a não ser em nós mesmos, quando sustentamos o peso do nosso nome mesmo que tenha três sílabas e a mais forte seja a primeira. Nomes são tão importantes na nossa história quanto o saber transmitido por eles. Espero muitos outros nomes na minha história. É preciso continuar supondo saber!
QUAL O TEMPO DO CPCT?
Ethel Poll
Os atendimentos realizados no CPCT marcam o encontro de um sujeito com a psicanálise, em um tempo pré-determinado. Neste espaço o sujeito é convocado a falar para que produza uma subjetivação da sua queixa e do seu sofrimento psíquico. A proposta no que se refere ao tempo de tratamento é de quatro meses podendo ser prorrogado por mais quatro.
Como praticante deste Centro de Tratamento tenho me deparado com questões sobre o final do tratamento e me perguntado qual é o tempo do CPCT? Como articularmos a questão do tempo do sujeito, com o término do tratamento?
Durante a Conversação Clínica em Barcelona, J.A. Miller propõe a noção dos “ciclos” para pensarmos sobre o trabalho nos Centros de Atendimentos. Neste encontro, com referência ao trabalho analítico, Miller sinaliza seu caráter cíclico, no qual uma análise pode iniciar-se, terminar e reiniciar-se, refazendo-se assim o percurso em um novo momento.
Com esta teorização, Miller aponta o equívoco de pensarmos a análise como infinita e diz que Lacan já encerrava esta ideia, quando compreendia uma análise como “perfeitamente terminável”. Neste sentido, este caráter finito traz em si mesmo uma completude que pode ser encerrada em um único ciclo.
No CPCT, sugere-se levar o sujeito até o fechamento de seu primeiro ciclo, o qual pode ser breve, a depender dos efeitos produzidos, mas este cálculo só poderá ser feito aprés coup. No final do primeiro ciclo espera-se que o sujeito produza efeitos que supõem um remanejamento subjetivo, uma redução do gozo implicado no seu sintoma, relançando a partir daí, um novo ciclo na direção do tratamento.
O caso Dora traz algo deste primeiro ciclo, quando ela, a partir de uma intervenção de Freud, é confrontada com sua queixa; neste momento ela mesma pode perceber que é o agente da situação da qual pensava ser somente vítima. Este movimento da paciente, de deixar de estar alheia à sua
queixa, é um novo tempo que a leva a uma nova posição frente ao seu modo de gozo.
Nos Centros de Atendimentos espera-se que as intervenções do praticante conduzam o sujeito a uma retificação subjetiva, na qual poderá resituar-se em relação a seu gozo e a seu sofrimento. Deste modo, as intervenções adquirem um efeito de ato analítico, marcando um antes e um depois, abrindo para o sujeito um novo espaço, um novo tempo.
O texto de Lacan de 1945 “O tempo lógico e a asserção da certeza antecipada” lança mão sobre a questão do tempo da psicanálise e apresenta o sofisma dos três prisioneiros com intuito de mostrar como se apresenta este movimento lógico. Depreende-se a partir destas formulações, que o tratamento do sujeito pelo discurso analítico é questão de tempo, não um tempo cronológico, mas um tempo lógico, intersubjetivo, que inclui três escansões: o instante de olhar, o tempo para compreender e o momento de concluir.
No primeiro momento, vê-se o valor instantâneo da evidência, o sujeito vê o que está fora dele, vê os outros e não sabe quem ele é; o tempo para compreender é o momento da meditação onde se realiza o trabalho de elaboração, no qual o sujeito objetiva algo mais do que lhe é dado pela aparência, é uma busca pelo reconhecimento de si próprio desprendendo-se da suposição atribuída ao outro; e o terceiro momento, o de concluir, é a asserção sobre si, na qual o sujeito antecipa uma certeza, em razão da tensão temporal e conclui o movimento lógico na decisão de um juízo.
Para Lacan a compreensão desta lógica está em captar na modulação do tempo à própria função pela qual cada um destes momentos, na passagem para o seguinte, é reabsorvido pelo último, restabelecendo assim, uma sucessão real. Assim, “o tempo de compreender pode reduzir-se ao instante de olhar, e este olhar pode incluir o tempo necessário para compreender”, assim como, “passado o tempo de compreender o momento de concluir, é o momento de concluir o tempo para compreender”.
Esta abordagem de Lacan do tempo lógico, traz uma idéia de finitude, e com este mesmo caráter da experiência analítica, Miller propõe a teoria dos ciclos. Neste sentido podemos formular que o ciclo que se inaugura, tanto para o praticante como para o analisante no CPCT, porta uma finitude inerente ao
processo analítico, que encerra os instantes de ver, compreender e concluir; e, o que aponta o término do tratamento, nos conduz a uma precipitação que vale em um momento decisivo, um novo instante de ver.
A reunião do CPCT realizada no dia 19 de março, nos possibilitou refletir sobre estas questões referentes ao tempo de tratamento. Não podemos perder de vista que “tratamos” de um inconsciente que é atemporal, num tempo que não é o cronológico; isso nos faz repensar a alternativa vigente no CPCT, e nos indica a necessidade de novos parâmetros para esta questão.
Avaliar a duração do tratamento no CPCT nesta perspectiva lógica torna o tempo mais flexível, podendo ser encerrado em quatro meses, quatro semanas ou em quatro sessões, ou seja, é algo que poderá ser definido no só depois. O importante é que o praticante esteja atento ao processo e possa através de suas intervenções produzir efeitos terapêuticos que se encerrem em um tempo lógico, conduzindo o sujeito a um novo ciclo, a um novo instante de ver.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
LACAN, J. O tempo lógico e a asserção de certeza antecipada, in Escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1998.
MILLER J. - A. (2008) Efeitos terapêuticos rápidos em psicanálise. Conversação em Barcelona sobre os Efeitos terapêuticos rápidos. Belo Horizonte, Escola Brasileira de psicanálise-Scripum Livros, 2008.
COTTET, S. A aceleração dos efeitos terapêuticos em psicanálise. In: Efeitos terapêuticos na psicanálise aplicada. Tânia Coelho Org. Contra Capa Editora, Rio 2005.

BOLETIM ATE 3 - TEXTO [1 Anexo]


20 de maio de 2011

Seminário de Formação Permanente

O DEFEITO NO UNIVERSO

No próximo dia 25 de maio vamos trabalhar esse texto de Pierre Skriabine, psicanalista francês, nosso convidado para a XVII Jornada da EBP-Ba. que acontecerá em outubro.

É um texto sobre a última clínica de Lacan trabalhado pela vertente da topologia, onde o autor afirma que “se existe o Um a falta não está na estrutura da linguagem”, a estrutura não é mais de linguagem, a estrutura não é mais do significante articulado.

Ele vai explicar porque a estrutura suporta uma falta, procura demonstrar a causa da falta no Outro. É uma demonstração topológica e matemática muito difícil para quem não tem o domínio da topologia. Sua teorização passa pelo cubo de Necker, pela banda de Moebius, pelo oito interior, pelo cross-cup e pela garrafa de Klein. Skriabine procura demonstrar topologicamente que o nome do Defeito no universo é a Foraclusão generalizada.

Pretendemos trabalhar esse texto recortando algumas passagens teóricas para comentá-las a partir da última clínica de Lacan. Qual a relação entre a primeira e a última clínica de Lacan? É a relação entre sentido e real.

Da primeira para a última clínica, Lacan opera uma passagem do significante para o signo. E, na Introdução alemã aos Escritos, ele pergunta qual o sentido do sentido? E diz: a resposta para essa questão é o gozo, e volta a perguntar: qual é o signo do signo?

Vamos tentar responder a essa questão de Lacan, tentando demonstrar que a foraclusão generalizada é a condição da linguagem que faz surgir o signo como traço significante primário (primären Zug), que sucumbe ao recalque originário, mas não se anula jamais, porque se metaforiza em outro signo – o traço unário (einziger Zug). O traço unário como herdeiro do traço primário, é o Um da estrutura que ex-siste, é signo do real. E, quando um signo se substitui por outro signo, é uma metáfora especial, não há lugar para a produção de sentido, e, sim, de gozo.

Reinaldo Pamponet

Apresentação – Reinaldo Pamponet

Coordenação – Paulo Gabrielli

Local: Sede da EBP – Rua Comendador Alves Ferreira 60, Garcia

Tel 3235 9020 e 3235 0080

Quarta-feira 25 de maio - 20h00 – 21h30

Ecos da Última Quarta

Na última quarta feira, escutamos Analícea Calmon que nos comentou a décima aula do livro Perspectivas do Seminário 23 de Lacan. Em sua exposição ela ressaltou que em 1964 Lacan define o inconsciente como aquilo que dizemos. Essa definição é contemporânea à definição do inconsciente na modalidade da pulsação (Seminário 11). “Acreditamos que dizemos o que queremos, mas dizemos o que os outros quiseram (vem do Outro, do campo da linguagem e seus representantes)”.

Alguns tópicos que foram evocados:

- A Psicanálise não é como a Filosofia, se atém aos fatos de seu campo de estudo. É incompleta, está pronta para corrigir ou modificar suas teorias. Admite paradoxos, não se enquadra no domínio da ciência. A clínica norteia a teoria.

- A Psicanálise faz vacilar os semblantes quando existe como “Psicanálise absoluta”, na perspectiva do Um, fora das conexões. Não deve se contentar na direção do que o Outro quer que digamos.

- Todos os fenômenos da crença são da ordem do engano. Todo semblante é da ordem do sentido.

- O sinthoma confere um sentido ao real.

Anotações: Carla Fernandes

A seguir, enviamos um comentário feito por Bernardino Horne

Comentario de Bernardino Horne sobre a aula de Analícea Calmon

Gostaria de comentar sobre duas questões relacionadas com o excelente e organizado comentário da lição 10 do curso “Perspectivas do seminário 23 de Lacan – O Sinthoma” de J-A. Miller apresentado por Analícea.

A primeira questão tem a ver com os paradoxos que levam Lacan a, permanentemente, questionar psicanálise. Analícea cita Freud - em torno de 1922 - onde ele diz que psicanálise é sempre aberta e mutável.

Gostaria também de discutir a idéia explicitada no debate sobre a importância do início da análise. Não que isso não tem nenhuma importância senão que, penso, depende do conceito que temos no final de análise.

Desde o momento fundador da psicanálise, a estratégia de Freud consistiu em construir a teoria a partir do que a clínica indicava, ou seja, fazer a teoria clínica. Neste sentido, sua grande descoberta foi estabelecer um dispositivo clínico do discurso analítico e, escutando seus pacientes, construir a teoria e, modificá-la na medida em que as evidências clínicas o exigiam.

O dispositivo tomou deste modo, o lugar fixo - na verdade é o que perdura desde antes de 1900 - e a teoria tomou o lugar do que é mutável.

Lacan tem clareza a respeito do procedimento freudiano e, quando faz sua proposição do retorno a obra de Freud, aos seus fundamentos, se dedica a estudar seus grandes casos clínicos.

Recentemente, Miller afirmou que a prática da teoria, como disse Althusser, não tem lugar entre nós analistas e acrescentou que a única coisa que nos interessa é a teoria da clínica. [1]

Quando Lacan, em 1967[2], propõe o passe, para dar um nome genérico ao final de análise, permite que diversas formas desse dispositivo possam agrupar-se sob essa denominação.

Isto tem grandes vantagens heurísticas, uma vez que permite através do estudo de cada passe, fazer a teoria da clínica do final de análise, propor novas formas de pensar e, teorizá-las.

Esta é uma das principais tarefas de nossa Escola, desde quando existem diferentes concepções do conceito de final de análise nos vários grupos analíticos existentes.

Assim como o dispositivo analítico é o ponto fixo que permitiu criar a teoria e, ajustá-la dia a dia, o passe funciona como a relação permanente com o final de análise e permite que a teoria do final vá se elaborando e se modificando a partir do estudo de cada passe e das modificações que a teoria vai sofrendo, mudanças que estão, sem dúvida, articuladas ao trabalho sobre os casos clínicos que os Analistas da Escola (AE) nos oferecem.

Segundo comentário:

Ao ler a lição 10 foi me dando certa ansiedade porque a desconstrução de sua obra, que executa Lacan , e Miller está enfatizando, é tão radical, que eu tinha a sensação de ficar sem nada, sem psicanálise, sem teoria e sem possibilidade de prática.

A “psicanálise absoluta”, como é denominada por Miller, nos leva a uma exclusão radical do sentido, uma exclusão total do Outro e ao predomínio do UM que não dá chances à clínica. Elimina a transferência e nos conduz à idéia do analista totalmente mudo. Neste momento, para meu alívio, aparece a idéia de um hiância, uma clivagem entre a teoria psicanalítica e prática.

Na neurose, "parte-se do UM mergulhado no Outro e os semblantes que estão veiculados vacilam e se evacuam, até que o sujeito tenha acesso ao seu falar para si mesmo, ao autismo de seu discurso". Neste sentido Miller desenha a neurose como o mergulho do UM no campo do Outro e, a psicose como mergulho do Outro no campo Um.

A citação de Analícea se encontra no Volume XVIII das Obras Completas de Sigmund Freud, no tópico intitulado “Dois verbetes de Enciclopédia” no final do capítulo, onde há uma afirmação que menciona que a psicanálise pode falar com clareza de seus conceitos mais gerais, mas seus postulados são provisórios. Ela deixa as definições mais precisas deles para os resultados do trabalho futuro.

E assim termina essa parte dedicada à psicanálise, que começa definindo-a como:

1)-Um procedimento para a investigação dos processos mentais.

2)-Um método de tratamento

3)-Uma coleção de informações psicológica obtidas ao longo de ambas as linhas criadas e que gradualmente se acumulam numa nova disciplina científica.

ANOTE

PROGRAMAÇÃO DA EBP-BAHIA PARA MAIO E JUNHO

(Até o ENAPOL)

25/05: SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO PERMANENTE

Comentário de Texto: A Falha no universo (primeira parte)

Autor: Pierre Skriabine

Apresentação: Reinaldo Pamponet

Coordenação: Paulo Gabrielli

01/06: Seminário de Orientação Lacaniana

Texto: lição 11 e 12 do livro “Perspectivas do seminário 23”

Autor: J-A. Miller

Apresentação: Nora Gonçalves

Coordenação: Analícea Calmon

08/06: Seminário de Formação Permanente

Comentário de Texto: A Falha no universo - continuação da Primeira parte ou Segunda parte (a definir).

Autor: Pierre Skriabine

Apresentação: Mario Nascimento

Coordenação: Reinaldo Pamponet



[1] Intervención de Miller en las Jornadas de Otoño de la ECF, 2006
[2] Jacques Lacan, “Proposición del 9 de octubre de 1967 sobre el analista de la Escuela”Autres Ecrits



[1] Intervención de Miller en las Jornadas de Otoño de la ECF, 2006




INVITADOS AL FORO DE MADRID del 11 de Junio de 2011

II FORO: LO QUE LA EVALUACIÓN SILENCIA

“Las servidumbres Voluntarias”

Madrid, Sábado 11 de Junio de 2011. Círculo de Bellas Artes

Horario del Foro será de 10 a 19 h.

EL AFORO ES LIMITADO Y NO HABRÁ INSCRIPCIÓN “IN SITU”
¡¡¡50 ULTIMAS PLAZAS!!!

ACTUALIDAD DEL FORO


Os informamos de los invitados que asistirán al próximo Foro “Lo que la evaluación silencia: Las servidumbres voluntarias”.

INVITADOS

Miriam Andrés

Senadora, Vicepresidenta de la Comisión de Sanidad del Senado

Sonia Arribas

Investigadora ICREA. Prof. de la Universitat Pompeu Fabra

Graciela Atienzo

Periodista

Constantino Bértolo

Crítico y Editor de Caballo de Troya

Germán Cano

Filósofo

Ignacio Castro

Filósofo y Crítico de Arte

José María Crespo

Director de Relaciones Institucionales de “Público”

Asunción Díaz

Actriz

Enrique Delgado

Profesor de la Universidad de Valladolid. Vicerrector de la UVA. Profesor de la facultad de Educación en Palencia

Ignacio Echevarría

Crítico literario

Dulce Expósito

Profesora de Filosofía

Wenceslao Galán

Profesor de Filosofía en la Universitat Oberta de Catalunya

Mariví Gimbel

Profesora de Filosofía. Presidenta de CRUCE

Lupicinio Iñiguez

Doctor en Filosofía y Letras. Catedrático de Psicología Social (2003) en el Departament de Psicología Social (UAB)

José Miguel Marinas

Catedrático de Filosofía Política y coordinador del Máster de Psicoanálisis y Teoría de la Cultura en la UCM

Miguel Nieto

Licenciado en Sociología

José María Pérez “Peridis”

Arquitecto. Dibujante de “El País”

Javier Peteiro

Doctor en Medicina. Jefe de Sección de Bioquímica y laboratorio de Alergia del Complejo Hospitalario Universitario de A Coruña

Salomé Ramírez

Historiadora de Arte y Productora cultural

Guillermo Rendueles

Psiquiatra

Julio Rogero

Maestro jubilado

Amador Savater

Co-editor de Acuarela

Laura Suárez González de Araújo

Licenciada en Filosofía

Oscar Tissier
Actor

Gloria Vega
Actriz

Juan Viadas

Director de teatro

Artistas que expondrán sus obras:

Palmira Abelló

Elías Castro

Santiago Cueto

Susana Echevarría

Patricia Losada

Eulogia Merle

José Luis Viñas

________________________________________



Y con la participación de los siguientes psicoanalistas de la Escuela Lacaniana de Psicoanálisis y de la Asociación Mundial de Psicoanálisis

Anna Aromí (Barcelona), Joaquín Caretti (Madrid), Ana Castaño (Madrid), Miriam Chorne (Madrid), Vilma Coccoz, (Madrid), Shula Eldar (Barcelona), Manuel Fernández Blanco (A Coruña), Mario Izcovich(Barcelona), Roger Littel, (Londres), Olga Montón (Madrid), Monserrat Puig (Barcelona), Juan Pundik (Madrid), Jesús Sebastián (Zaragoza), Antoni Vicens (Barcelona).




_______________________________________________________________

Las secuencias estarán coordinadas por psicoanalistas de la

Escuela Lacaniana de Psicoanálisis y de la

Asociación Mundial de Psicoanálisis


Miquel Bassols (Barcelona), , Rosa María Calvet (Barcelona), Santiago Castellanos (Madrid), Javier Garmendia (Madrid), Fernando Martín Aduriz (Palencia), Manuel Montalbán (Málaga), Iván Ruiz (Barcelona), Oscar Ventura (Alicante), Iñaki Viar (Bilbao).


_________________________________________________________________



Podéis visitar nuestro blog: http://loqueevaluacionsilencia.blogspot.com/ <http://loqueevaluacionsilencia.blogspot.com/>
y en Facebook:
http://www.facebook.com/?sk=lf#!/Foro2.ServidumbresVoluntarias <http://www.facebook.com/?sk=lf#!/Foro2.ServidumbresVoluntarias>

FORMULARIO DE INSCRIPCIÓN (POR FAVOR PONER EL NOMBRE EN OBSERVACIONES AL HACER EL INGRESO)
ENVIAR EL SIGUIENTE FORMULARIO A: olga.monton.al@gmail.com <mailto:olga.monton.al@gmail.com>
* NOMBRE Y APELLIDOS
* CIUDAD
* PROFESIÓN
* EMAIL
CONTRIBUCIÓN: 15 € mediante ingreso o trasferencia en:
LA CAIXA: 2100 – 3359 – 11 – 2100644055 (BENEFICIARIO: FORO 2)

30 de mayo de 2011

Noches de la Biblioteca: El cuerpo atravesado por la técnica



Las pasiones biologizantes del siglo XXI:

El cuerpo atravesado por la técnica

Miércoles, 1 de junio, a las 20,45 h.

Todos los encuentros tienen lugar en la Sede de Madrid de la ELP, Gran Vía 60, 2º izda.

Intervienen:
Araceli Fuentes. Psicoanalista, Analista de la Escuela, miembro de la ELP y de la AMP.
Salomé Ramírez. Licenciada en Historia del Arte.

Coordina:
Pía López Herrera. Psicoanalista, miembro de la ELP y AMP, miembro del equipo de Biblioteca.

La categoría de Biopolítica, como clave de lectura del mundo contemporáneo, que viene conformándose a partir de Michel Foucault y a través de pensadores como Giorgio Agamben, Roberto Esposito, Toni Negri, Mauricio Lazzaratto, entre otros, muestra que prácticamente nada escapa a la colonización del biologicismo: vida individual, vida social, ámbito jurídico y ámbito político. Foucault muestra que la vida, en tanto zoé o nuda vida, entra en la historia con el nacimiento del capitalismo. Hasta entonces el hombre, desde Aristóteles, había permanecido siendo un ser vivo capaz de una existencia política, es decir Bíos politikos. La vida era fundamentalmente vida calificada. Pero eso ya no es más lo que era. La política moderna y contemporánea no es sino Biopolítica, cuya ambición central es “la gestión normalizadora del cuerpo (individual o de la población) capaz de declarar
un estado de excepción en aras de una presunta salud estatal”
(1)

¿Por qué la pasión biologizante, el fanatismo de la cifra y los poderes de la técnica, que hacen las delicias de las administraciones gubernamentales, tienen cada vez más éxito? ¿puede la vida del hombre explicarse solamente en tanto viviente cuando más que nunca está atravesada por los inventos de la técnica? ¿ha llegado la técnica a dominar por fin el plus de goce? Según Jacques-Alain Miller este éxito “expresa algo muy profundo, una mutación ontológica, una transformación de nuestra relación con el ser” (2).

(1) Sonia Arribas, Germán Cano y Javier Ugarte [coords.], Hacer vivir, dejar morir. Biopolítica y capitalismo, Madrid: Los libros de la Catarata, 2010.

(2) Entrevista a Jacques-Alain Miller por Éric Favereau (2008) en: http://psicoanalisislacaniano.blogspot.com/

Las transcripciones de estos primeros encuentros se encuentran a vuestra disposición en: http://blogdelabolm.blogspot.com

Equipo de la BOLM: Marisa Álvarez (directora), Miguel Ángel Alonso, Alberto Estévez, Beatriz García, Ariane Husson, Pía López, Constanza Meyer, Esperanza Molleda, Sagrario Sánchez de Castro.

Bibliografía recomendada:
Jacques-Alain Miller
,La experiencia de los real en la cura psicoanalítica, Buenos Aires: Paidós, 2003.
Éric Laurent, “Estado, sociedad, psicoanálisis”, en
Psicoanálisis y salud mental, Buenos Aires: Tres Haches, 2000.
Mario Goldenberg: “Psicoanálisis y Biopolítica”, en Revista
Enlaces Nº 13, Buenos Aires: Grama, 2008.
Roberto Esposito,
Bíos, Biopolítica y filosofía, Buenos Aires: Amorrortu, 2006.
Roberto Esposito,
Inmunitas. Protección y negación de la vida, Buenos Aires: Amorrortu, 2005.
Sonia Arribas,Germán Cano, Javier Ugarte.(coordinadores),
Hacer vivir,dejar morir. Biopolítica y Capitalismo, Ediciones de la Catarata, 2010.
Giorgio Agamben,
Estado de excepción, Valencia: Pre-Textos, 2004.


Première soirée préparatoire auCongrès de l'AMP


Voici des détails sur la première soirée préparatoire au Congrès de l’AMP.
Cette soirée préparée par l’ECF aura lieu mercredi 8 juin 2011 à 21h15,
1 rue Huysmans Paris 6ème.

VIIIème Congrès de l’AMP
Buenos-Aires, 23-27 Avril 2012
L’ordre symbolique au XXIème siècle. Il n’est plus ce qu’il était. Quelles conséquences pour la cure ?

Soirée préparatoire à l’ECF-Paris
Mercredi 8 Juin 2011
Pour cette première soirée préparatoire, nous aborderons la question des modifications de l’ordre symbolique, et de son déclin à l’orée du XXIème siècle. La soirée sera centrée sur les conséquences que cela a dans le social, l’idéologique et le politique, conséquences que l’enseignement de Lacan nous permet d’apercevoir.
Rose-Paule Vinciguerra introduira la soirée avec quelques points de repère sur l’état de ces bouleversements. Jean-Daniel Matet, Président de l’ECF, interviendra ensuite sur la question de l’autorité et Gil Caroz, Président de l’Eurofédération de psychanalyse sur celle de l’hypermodernité.