20 de agosto de 2017

La autoridad que emana del consumo, por Gustavo Stiglitz





Mercedes Ávila publicó:"Gustavo Stiglitz   Es muy importante instalar en cada uno, padre, madre o simplemente un interesado en el tema, la pregunta ¿qué es un niño hoy? y más particularmente, ¿quién es el niño que vive conmigo?, ¿qué tanto lo conozco? La familia es el lug"





Es muy importante instalar en cada uno, padre, madre o simplemente un interesado en el tema, la pregunta ¿qué es un niño hoy? y más particularmente, ¿quién es el niño que vive conmigo?, ¿qué tanto lo conozco?
 
La familia es el lugar que recibe al recién nacido y que le transmite un nombre, todos los cuidados necesarios incluida la transmisión del lenguaje y una manera de hablar. También es la familia la que transmite la idea de qué es lo que está permitido y lo que no.

La ciencia, la técnica y el mercado tienen mucho que ver con los cambios que se vienen produciendo en la familia. El Derecho acompaña dichos cambios para regular en lo posible lo nuevo, pero siempre hay algo que se escapa y sorprende.

La mayoría de los programas de tv para niños son dibujos. En cambio, las publicidades que se les dirigen no. Las investigaciones marketing señalan que el segmento 8-13 años es muy importante en la agenda de consumo en una familia. Entonces, el cuerpo del niño no aparece mucho en la programación, pero sí en la propaganda. Es decir, es claro que es tomado como sujeto comercial, más que como sujeto cultural.

¿Cuál es el trasfondo de esto? El compromiso tanto de la ciencia y la técnica, que permite que las publicidades nos entren junto con las comidas a través de la TV, como el mercado que toma a los niños como seres consumidores. En toda configuración familiar, lo que interesa es a qué lugar y con qué función ha ido a parar el pequeño. ¿Es hijo de un deseo decidido? ¿De una contingencia feliz o trágica? ¿Ha venido como efecto de un deseo amoroso o a tapar lo que no anda en la pareja de los padres? Y si es así, ¿de qué manera?

Se dice que una sociedad muestra sus características más profundas por el modo en que responde y trata los problemas y los síntomas de sus niños y jóvenes. Una característica de nuestras sociedades en occidente es que, silenciosa e imperceptiblemente, han cambiado profundamente la concepción de lo que ocurre a niños y jóvenes. El fenómeno es comparable a lo que nos pasa a los adultos frente al espejo. Todo va bien hasta que de pronto, un día en un instante determinado, aparece esa marquita en el rostro, esa pielcita en el brazo que antes no estaba. Disculpen por recordarlo. ¡Cuándo ocurrió eso! ¡Pero si antes no estaba! ¿Cómo apareció así, de la nada? Esa es justamente la cuestión. No apareció de la nada. Se vino gestando desde que nacimos, imperceptible pero sin pausa, hasta que, un buen día, en un instante, se mostró.

En cuanto a la idea sobre la infancia y a lo que esperamos de los niños, también estamos ante una transformación que implacablemente fue operando ante nuestras narices y solo algunos pocos se fueron dando cuenta de ello. Uno de los efectos más impactantes de esa transformación consiste en que se han trastocado los lugares familiares y, aunque esos lugares sigan siendo padre-madre-niño, la autoridad ha cambiado de sitio.

Las presiones del mercado y el acceso a las nuevas tecnologías han producido una desviación que resumiré así: los signos y las pruebas de amor que un niño espera de sus padres, se reducen a si éstos responden o no a sus demandas, a sus pedidos de satisfacer sus apetitos de consumo. Lo que era del orden del deseo que es el motor para el desarrollo de una vida, se ha aplastado sobre el orden de la demanda, como si todo se redujera a pedir, dar, recibir por puro capricho. De esta manera, ¿dónde recae la autoridad? ¡En el niño! Sí, en él que con sus pedidos pone a los padres en aprietos porque ellos mismos están sometidos por las presiones del mercado y las exigencias de la vida contemporánea. Es decir, ya no son más los ideales de la tradición los que comandan las relaciones de autoridad, sino los objetos que se demandan cada vez más porque, a la vez, ninguno de ellos colma lo que promete.

Un comportamiento no es necesariamente una enfermedad. Hay infinitas causas para que una persona de la edad que sea responda con un comportamiento y no con otro. La asociación entre las clasificaciones y la industria farmacéutica constituye un poderoso tándem del que la medicina se sirve a la hora de responder con rapidez -una exigencia muy de actualidad- a la angustia de los padres frente a lo que no anda bien en los hijos. El encuentro con un psicoanalista es la manera de ir más allá de este malentendido y de recobrar la dimensión del deseo, dos cuestiones fundamentales para que un niño o adolescente encuentre la buena manera de insertarse en el mundo que le toca vivir.
bansky-consumo

(2015)

Fuente: Página 12



From:

19 de agosto de 2017

Attentats de Barcelone : Communiqué du conseil de l’ECF


midite publicó:"Nos pensées les plus chaleureuses accompagnent les victimes et leurs proches ainsi que la population espagnole après les attentats effroyables perpétrés par des terroristes à Barcelone et en Catalogne hier. Dans l'épreuve qu'ils traversent, l'ECF apporte"

Entrada nueva en Psychanalyse en Midi-Pyrénées

Attentats de Barcelone : Communiqué du conseil de l'ECF

por midite
Nos pensées les plus chaleureuses accompagnent les victimes et leurs proches ainsi que la population espagnole après les attentats effroyables perpétrés par des terroristes à Barcelone et en Catalogne hier. Dans l'épreuve qu'ils traversent, l'ECF apporte son soutien à nos collègues et amis catalans et espagnols et les assure de son entière solidarité dans ce moment où […]


17 de agosto de 2017

“Hay que repensar todas las políticas transformadoras desde lógicas diferentes a las capitalistas”, entrevista a Jorge Alemán en Alfilo, por Daniel Saur


En términos políticos, ¿cómo caracterizarías el presente del capitalismo?

Se ha generado un nuevo orden, un nuevo mundo, una nueva forma de concebir el mundo, una nueva racionalidad que lo estructura y eso no se agota en una formación política o una coyuntura. Si se quiere pensar lo político hasta las últimas consecuencias, el escenario se ha vuelto sumamente complejo, ya es todo un asunto saber plantear el problema de modo pertinente. Vivimos en un tiempo donde la palabra revolución quedó excluida de la gramática política, la revolución implicaba un corte con respecto al capitalismo, había un sujeto histórico destinado a realizar ese corte y había una ley histórica que iba a efectuar el corte. Yo pertenecí a una generación donde la historia misma se iba a encargar de terminar con el capitalismo, la historia misma sabía a donde iba, sabía cumplir con su objetivo; algunos podían obstaculizarla, demorarla… Pero eso ha quedado absolutamente ineficaz desde todo punto de vista, simbólico, ideológico, político. No hay un después del capitalismo, no hay nada que se pueda nombrar como exterior al capitalismo, no hay nada que se pueda identificar que no esté capturado en su lógica; por lo tanto, hay que repensar todas las políticas transformadoras desde lógicas diferentes.

Tienes una producción muy interesante para pensar al neoliberalismo como torsión del capitalismo, ¿por qué es tan efectivo el neoliberalismo frente a otras formas de pensamiento vinculadas a horizontes libertarios o emancipadores?

El proyecto neoliberal puede hacer parecer antigua a cualquier otra cosa, el sueño neoliberal es dormir en el grado cero de la política, que no te interrumpa nada, que no te perturbe nada, ni te interpele nada que tenga que ver con las herencias, los legados, pertenecer a una causa, todo eso se presenta antiguo para el neoliberalismo. Se pretende vivir en un presente absoluto y maximizar tu vida como capital humano, entregarte a una lógica de rendimiento, donde tu propia vida es vista como capital humano. Frente a eso, donde hay que ser emprendedor de si mismo, lo nacional y popular es una antigualla. Por otro lado, el neoliberalismo es lo suficientemente complejo para sostener que se remite a lo privado, es falso, ya se apropió del Estado, es una política de Estado. Es falso que solo quiere beneficiar lo privado, tiene regímenes con protocolos y competencias en los lugares públicos, es un proyecto muy ambicioso. Frente a eso, anteponer de manera dogmático lo nacional y popular es un poco apresurado... Siga leyendo.

15 de agosto de 2017

Lacan Cotidiano. Sobre o populismo, por Cristiane Alberti


                                                              
                                           ​



EDITORIAL
Christiane Alberti
«Só existe isso: o laço social»

A Escola da Causa Freudiana envolveu-se decididamente em um combate que visou fazer barreira à eleição de Marine Le Pen, por ocasião da recente eleição presidencial. Tratava-se, para os psicanalistas, de intervir no debate público para evocar as raízes históricas da Frente Nacional e seus vínculos atuais com o fascismo e os neonazistas.

 Sem entrar na discussão dos programas e da política partidária, foi um ponto de vista ético que nos levou a extrair consequências, particularmente sobre a abstenção e o voto em branco. Foi, digamos, um princípio de realismo superior que nos guiou em cada etapa desta campanha. Ele consiste em se vincular às condições concretas, práticas de realização da coisa esperada, não obstante todos os obstáculos que se apresentaram [cf. a moral objetiva em Hegel (1)].

 Nossa responsabilidade estava envolvida, uma vez que se tratava não apenas de aderir à opinião esclarecida, mas também, em parte, de trabalhar para constituí-la. E foi exatamente a partir de nossa condição de psicanalistas, que nos leva a enfrentar o recalque, que tomamos posição publicamente: enfrentar a inclinação natural atual que repousa sobre o esquecimento do passado mais sombrio. 

O populismo
A questão do populismo foi central. Nós havíamos nos deparado com o perigo que ele representa sob suas diferentes formas, e mensurado a que ponto ele havia penetrado nos espíritos: fosse a tendência oriunda da corrente propriamente anti luzes, ou ainda aquela do protesto romântico tão caro à França.

 Em seu trabalho sobre a ameaça populista, Jan-Werner Müller (2) nos propõe voltar a seu próprio fundamento: o confisco ilegítimo do povo, mais essencial do que a crítica das elites. Seus líderes afirmam sempre serem os únicos representantes do «verdadeiro povo» («das gentes verdadeiras»), ou da maioria silenciosa. Este povo está de fato desrealizado e humilhado. O populismo pratica a humilhação permanente de um povo a ser salvo. É o resto, como aquilo que Lacan designava o que foi o desastre moral dos anos sombrios: «A humilhação de nosso tempo pelos inimigos do gênero humano (3)».

 Sobretudo: o monopólio moral que os populistas reivindicam engendra uma dupla exclusão, perigosa para a democracia. Primeiramente, todos os outros partidos são ilegítimos e corrompidos. Em segundo lugar, é da própria natureza do populismo praticar a exclusão de uma parte do povo, definitivamente sempre suspeita de não pertencer à humanidade.

 Dito de outra maneira, a guerra civil (o maior de todos os males, segundo Pascal) está no horizonte de todo populismo que exacerba a pulsão de morte sob as categorias da pulsão segregativa. 

O Estado de Direito
É esta perspectiva que especialmente nos conduziu a opor ao populismo a referência ao Estado de Direito. É do direito que o povo extrai sua definição, e sua norma reside na forma da lei. O Estado não é, aqui, assimilável à potência (à força, à violência), mas ao direito e à lei – obras humanas incessantemente em movimento, compensação à vox populi –, se quisermos considerar como Blandine Kriegel (4), para quem o Estado moderno não procede do império romano germânico, mas da renovação republicana dos reinados da Renascença. Ele é uma criação permanente que não pertence a ninguém, mas a todos, uma instituição que não existe além, mas por e para os indivíduos

 Em todo caso, é útil se interrogar sobre o Estado de Direito hoje, em um momento em que se vê ressurgirem as recolocações em causa da teoria da representação e do parlamentarismo, bem como dos projetos pouco confiáveis dos regimes constitucionais alternativos. De resto, esta crítica é antiga e sempre acompanhou a teoria do Estado moderno. 

O laço entre os que falam
Não se tratava somente de defender o Estado de Direito porque ele condiciona a prática da psicanálise. Esta referência ao político, ao discurso do mestre que se instaura da emergência do Estado, é de um outro âmbito. Ela parte também do discurso analítico, caso queiramos fazer da psicanálise o campo de um exercício mais amplo do que aquele do tratamento. Eu gostaria de dizer em quê.

 É a partir da experiência da análise que se pode apostar nos recursos do discurso, que não é nada mais do que «o laço entre os que falam». A política é, no fundo, o laço social. E é nossa arma frente à pulsão de morte: «Afinal de contas, só existe isso, o laço social» (5), sublinha Lacan, ou seja, o que faz os corpos manterem-se juntos, enquanto, ao contrário, seu gozo gera a segregação.

 Esta consideração do laço social se faz a partir do discurso analítico, ou seja, às avessas do político, às avessas de um exercício de dominação. A experiência de uma análise leva a se distanciar das identificações de massa (sempre segregativas) para se considerar, antes, as múltiplas escolhas do desejo ou do gozo. Sempre de-segregativa, ela leva a apostar que o coletivo pode conquistar um lugar nesta pluralidade: o Um da inclusão do múltiplo, e não o Um da exclusão do múltiplo. Neste sentido, a psicanálise quer o político.

 E é precisamente porque, no tratamento, acaba-se por encontrar o ponto em que o Outro não existe, o ponto em que os recursos do simbólico empalidecem, que, uma vez atingido este ponto, tem-se um retorno ao laço social dentro da relação com o Outro, que se efetua no sentido em que se coloca a responsabilidade do Outro a ser inventado. Salvo se for para ser resolvido pelo mais estéril cinismo. Uma análise não faz ir do pai (père) ao pior (pire), a essa espécie de niilismo presente no populismo.


Isso dá aos psicanalistas uma responsabilidade nova em um contexto de diluição do laço social, de todas as bases fundadoras do coletivo. O que é «imbecil» no populismo são precisamente os significantes-mestres que não fazem laço, as injunções, cortes do saber. E o vislumbre do saber é crucial em um contexto em que nossos políticos se deixam facilmente fascinar pelo S1, especialmente o da avaliação e o do cientificismo.

 É em uma prática política a ser inventada passo a passo que a psicanálise torna-se apta a contribuir de maneira útil para o exercício de um discurso do mestre que seria «um pouco menos idiota(6)», como Lacan parece denominar, de própria voz, em sua Conferência em Milão, 1972. Dar todo o seu alcance a este aforisma de Lacan, fazer dele uma perspectiva é, portanto, algo a ser seriamente considerado. 

Este texto foi pronunciado no domingo, 2 de julho, por ocasião do Fórum organizado no âmbito do 4o Congresso Europeu de Psicanálise, PIPOL 8. O Fórum tinha como título:La montée du populisme en Europe: quelle réponse des politiques, des intellectuels et des psychanalystes?/A ascensão do populismo na Europa: qual a resposta dos políticos, dos intelectuais e dos psicanalistas?

1: «O Estado é a realidade em ato da ideia moral objetiva» (Hegel, Princípios da Filosofia do Direito, 1821).
2: Müller J.-W., Qu'est-ce-que le populisme? Définir enfin la menace, Premier Parallèle, 2016.
3: Lacan, J, Écrits, Paris, Seuil, 1966, p. 150.
4: Cf. Kriegel B., État de droit ou Empire ?, Bayard, 2002.
5: Lacan J., Le Séminaire Livre XX, Encore, Paris, Seuil, 1975, p. 51.
6: Lacan J., «Du discours psychanalytique», Lacan in Italia, En Italie Lacan, 1953-1978, La Salamandra, 1978, p. 47.


Tradução: Adriano Messias
Revisão: Maria do Carmo Dias Batista




13 de agosto de 2017

O SEMANÁRIO da Escola Brasileira de Psicanalise - Minas Gerais


14 de agosto de 2017 | A Escola e o Mundos | Aberta ao Público - Entrada Franca

Image
17 de agosto
O VIVO, PEDAÇO DE REAL ENCONTRADO NA EXPERIÊNCIA ANALÍTICA, SOB TRANSFERÊNCIA.
1º TESTEMUNHO — A voz Opaca Convidada: María Cristina Giraldo (AE/NEL/AMP)
Com Ana Lydia Santiago




Image
18 de agosto
Seminário: A SEXUALIDADE NA CONTEMPORANEIDADE
Com Margareth Ferraz


Image
18 de Agosto, 
em São Paulo. 
Faça sua Inscrição!
Fórum: Estado de Direito e Corrupção. O real da psicanálise é a nossa moeda.



Image
19 de Agosto
Seminário Clínico: Há-Um (Yad'lUn)
Com Márcia Rosa


Image
"Que antes renuncie a isso, portanto, quem não alcançar em seu horizonte a subjetividade de sua época."
(J. LACAN)
Image
Semanário da Escola Brasileira de Psicanálise - Seção Minas
Editora Responsável: Fernanda Otoni-Brisset
Editores: Rachel Botrel, Sérgio de Castro, Sérgio de Mattos
Redação e Publicação: Fernanda Costa e Miguel Antunes
Assistentes: Júlia de Sena Machado e Francisco Matheus de Barros
Designer: Bruno Senna 
Facebook
Twitter
Blogger
Instagram

11 de agosto de 2017

EBP - Delegação Maranhão: Boletim O Lacaniano n.103


Publicação Eletrônica da Escola Brasileira de Psicanálise - Delegação Maranhão


Editorial

A Delegação Geral Maranhão renova os votos de trabalho decidido pela causa analítica, apresentando para vocês as atividades que foram programadas para este mês de agosto. "Na verdade, sabemos o quão pouco sabemos – com o saber cresce a dúvida", nos diz Goethe.  É a partir do não saber posto que o inconsciente é um saber não sabido, que nos lançamos a essa aventura que é adentrar no mundo da Psicanálise, o que nos coloca na condição de nada termos estudado 'plenamente'. É com esse savoir y faire que nos foi e é passado pela EBP, através de seus membros efetivos que estão sempre se fazendo presentes na Delegação Maranhão nesses 20 anos de sua existência no Maranhão. Aliás, desde 1989 com a Iniciativa-Escola, várias pessoas já se deslocavam para cá para plantar as sementes que deram tantos frutos.

Está acontecendo na DG/MA o curso de "Transmissão e Ensino de Freud à Lacan", que se realiza todos os sábados no COC. Contamos com professores responsáveis e competentes que já vão nos apresentar nesse "Percurso de Freud", a finalização do quarto módulo e início do quinto. Convém lembrar que o estudo de Freud que fazemos na EBP não se dá sem a releitura de Lacan sobre a obra freudiana, o que é a marca registrada Psicanálise de Orientação Lacaniana.
 
Contamos com sua presença em nossa próxima jornada, que se realizará em outubro com o tema "Casos Raros em Psicoses", com a vinda de Henri Kaufmanner, psicanalista e membro da EBP/AMP – vinculado à Seção Minas e atual diretor de Biblioteca da EBP. Agradecemos a todos que enviarão os trabalhos para a nossa jornada nos eixos temáticos que serão divulgados posteriormente pela comissão científica. Divulgue você  também  esta jornada e participe deste momento de culminância de nossas atividades!

A transferência de trabalho dirigida à Psicanálise de Orientação Lacaniana, é a marca da clínica do real e da forma precisa e singular como a Psicanalise é transmitida no Brasil e no mundo, realizada pela Escola Brasileira de Psicanálise - que faz parte da  AMP.

Thaïs Moraes Correia
A.P. aderente da EBP
Secretária de Biblioteca


ATIVIDADES

TERÇA-FEIRA
Atelier de leitura: Psicoses Ordinárias
Responsável: Thaïs Moraes Correia  
Data: 8 e 22 de agosto
Horário: 19h30m / quinzenal
Atividade aberta – local: DG/MA

Conversação Clínica e leitura de passes
Responsável: Silvana Sombra
Data: 15 de agosto
Horário: 19h30m / mensal
Atividade aberta


QUINTA-FEIRA
Atelier de leitura: Seminário IV de Jacques Lacan
Responsável: Anícia Ewerton
Horário: 19h às 21h / semanal
Atividade aberta – local: DG/MA

SEXTA-FEIRA
Atelier de leitura: Linguagem e Psicanálise
Responsável: Suely Lima
Horário: 9h às 10h30min / semanal
Atividade aberta  e gratuita – local: DG/MA

SÁBADO
Curso: Transmissão do Ensino de Freud a Lacan
Corpo Docente: Marcio José de Araujo Costa; May Guimarães; Thaïs Moraes Correia; Lorena Guerini; Joselle Couto; Suely Simone; Anícia Ewerton
Horário: 8h30min às 12h aos sábados / semanal
Valor: Profissional R$ 160,00 e Estudante R$ 80,00
local: COC São Luís -  Av. dos Sambaquis, 31 - Calhau, São Luís - MA, 65071-390


Sinopse: Estamira e um grupo de amigos vivem em um lixão da cidade do Rio de Janeiro. Ela tem problemas mentais e filosofa sobre problemas sociais como o destino dado ao lixo das grandes metrópoles e como viver em condições lamentáveis
DATA: 26 de agosto de 2017
Horário: 16h30min
LOCAL:  COC - Av. dos Sambaquis, 31 - Calhau, São Luís - MA
Comentários:  Lorena Rodrigues Guerini, Psicóloga, Mestre em Psicologia, Professora da faculdade Pitágoras, do curso Gestão em Saúde Mental e Atenção Psicossocial da Faculdade Laboro, Analista praticante e participantes da Delegação Maranhão da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP).
Responsáveis: Anícia Ewerton e Tereza Braúna


Biblioteca da Delegação Geral Maranhão divulga:


Cartel como base de uma escola
A Delegação Maranhão – EBP - Para participar de um cartel o interessado pode ser participante  ou não participante da Delegação Maranhão - EBP. Neste dispositivo cada um articula seu desejo de estudo em função de um tema anunciado para o cartel. Um se coloca como provocador e deve zelar pelo efeito da produção de todos. Ao final de um tempo há de comparecer a produção individual de cada um para o testemunho da existência do cartel.
Secretaria de Cartéis – Suely Simone Lima

XI Jornada da Delegação Maranhão/EBP





ADMINISTRAÇÃO DELEGAÇÃO MARANHÃO

Coordenação: Silvana Sombra | Coordenadora adjunta: Joselle Couto e Lima | Secretaria de Finanças e Tesouraria: Anícia Ewerton
Secretaria de Biblioteca e Publicação: Thaïs Moraes Correia | Secretaria de Cartéis: Suely Simone Lima | Responsável pela livraria: Tereza Braúna - Livraria – responsável: Tereza Braúna Moreira Lima.

ESCOLA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE
Luis Fernando Carrijon – Diretor Geral | Alessandra Sartorello Pecego – Diretora da Tesouraria
Rodrigo Lyra Carvalho – Diretor Secretário | Henry Kaufmanner – Diretor de Biblioteca

O LACANIANO
Produção: Escola Brasileira de Psicanálise | Delegação Maranhão | Edição: Biblioteca Delegação Maranhão

PARTICIPANTES
Anícia Ewerton –  | Carmen Damous –  | Djanete Miranda –  | Flaviana Almeida –  | Joselle Lima e Couto –  | Lorena Guerini –  | May Ferreira - | Márcio Costa –  | Paulo Guilherme Rodrigues –  | Petros Stasinos –  | Silvana Sombra – | Suely Simone Lima –  | Tereza B. Moreira Lima -  | Thaïs Moraes Correia -  | Zinole Helena Martins Leite -

Endereço Delegação Maranhão
Rua Perdizes, s/nº, qd 36,sala, 205. Ed. Pólo Empresarial - console Renascença II


Revista Iteração é uma publicação periódica anual da Delegação Maranhão - Escola Brasileira de Psicanálise, que tem por objetivo fazer circular o pensamento de estudiosos da Psicanálise de Orientação Lacaniana e suas respectivas interlocuções, nas áreas clínica, científica , filosófica ou artística.
A próxima edição de Iteração IV está prevista para setembro. Dessa vez, contamos com sua colaboração.
Entrega de artigos prevista para agosto; e lançamento do n.IV da revista digital durante a jornada de outubro de 2017.