12 de agosto de 2011

VI Jornada EBP Seção PE (em formação)



VI JORNADA DA ESCOLA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE - Seção Pernambuco (em formação)

O Simbólico
na aventura humana
no século XXI


14 e 15 de outubro de 2011


Local
Auditório do Museu do Estado de Pernambuco
Av.Rui Barbosa, 960, Graças
(entrada pela Rua Alberto Paiva)

Convidados
Ana Lydia Santiago - AE da EBP e AMP
Iordan Gurgel - AME da EBP e AMP


Não há Outro capaz de avalizar a aventura humana sobre a terra. Viver é uma experiência arriscada e perigosa, regida pela circunstância e pelo inesperado, ou seja, pela contingência.

A ORDEM SIMBÓLICA se constitui como uma rede de significações, cujo conjunto constitui a realidade e é regida pelas leis da linguagem. Ela estabelece isolamento de campos e definição de lugares. Permite recortes, associações, deslocamentos, escolhas, em direção a novas construções e desdobramentos. Por instituir significações, configura o humano e apresenta o mundo. Caracteriza-se por fazer o quadro do mundo, de tal forma que cada novo quadro surja de um desenho prévio e não simplesmente do nada. Engloba o mundo social da comunicação lingüística, das relações intersubjetivas, do conhecimento, das convenções ideológicas e da aceitação das leis. Era o que tentava dar alguma referência e organização para que o falasser, o mais fraco nesta história, não se evaporasse engolido pela contingência.

Mas as coisas não são mais assim. Constata-se uma mutação que desconstruiu referências importantes, fazendo com que elas já não tenham a importância de outrora. Família, igreja e escola já não contêm os impulsos como dantes. Continuam existindo, mas organizadas diversamente e distintamente constituídas.

A psicanálise não recuou diante da psicose. Uma jornada como esta que propomos é a um só tempo uma declaração de intenção: não vamos recuar diante das novas configurações do simbólico, bem como um convite a nos debruçarmos seriamente e juntos refletirmos sobre os seguintes temas:

1- Atualmente, falar ainda vale de alguma coisa? Se não se fala a mesma fala de antes, qual a fala que é falada hoje e que relação apresenta ou com o ideal ou com o gozo?

2- Quais são as modalidades contemporâneas do mal-estar na civilização no casal, na fratria, na família, na feminilidade e na escola?

3- Do ponto de vista da religião o que pensar dos novos fundamentalismos?

4- Que repercussões na clínica psicanalítica, de hoje, afetam a interpretação e os laços transferenciais?

Os que desejarem inscrever seus trabalhos, sobre os temas acima mencionados, devem enviá-los, até o dia 10.09 para betesiqueira1@gmail.com, digitados em letra Times New Roman, em espaço dois, com até, no máximo, 6.000 caracteres com espaço.

Elizabete Siqueira (Coordenadora da Comissão Científica)
Gisella Sette Lopes
Teresa Batista


No hay comentarios: