12 de febrero de 2014

[EBP-Veredas] Sábados no IPLA - Os novos sintomas e o tratamento psicanalítico‏

Hoje em dia se analisa como se analisava nos tempos de Freud? Não. No mundo contemporâneo, os sintomas já não são os mesmos. Antes, os laços sociais eram orientados pela figura paterna, numa estrutura vertical. O pai é que tinha as chaves do saber e marcava o rumo. Hoje, o saber se generalizou, basta um clic no mouse para ingressar no saber. O homem ficou desbussolado, sem o norte da mão do pai que, por ter o saber, lhe assegurava o caminho. Hoje temos uma sociedade organizada numa estrutura horizontal, em rede, descentralizada. Tal transformação do laço social exige modificação no modo de incidir na clínica. A forma de um sintoma se adapta ao relevo social de uma época. Os sintomas, que reagiam à interpretação e ganho de sentido, hoje não respondem mais. Surgem novas formas de expressão do mal-estar humano, os novos sintomas, que se caracterizam pelo curto-circuito da palavra. Têm em comum a impossibilidade de explicação. São as anorexias, o fracasso escolar, a toxicofilia, os crimes inusitados e outros.
Qual o tratamento para os novos sintomas? O tratamento psicanalítico que se dá por meio da palavra e do ato. Não da palavra que dá sentido, mas da responsabilização pelo não-saber, por esse ponto estranho que “sou eu”. Tratamento através do empréstimo de consequência, do enigma, do equívoco, do deslocamento do gozo, da surpresa e da invenção, bisturis da clínica do Real. O psicanalista lacaniano, pronto a todas as contingências, não recua frente ao homem desbussolado do mundo atual.
Este curso dedicado aos novos sintomas e seu tratamento pela psicanálise incluirá exemplos da clínica. O programa será desenvolvido em cinco aulas ministradas por docentes do IPLA.
Data: 22 de fevereiro de 2014
Local: IPLA, Rua Augusta, 2366 – Casa 2, São Paulo
Telefones: (11) 3061-0947 e (11) 3081-6346
O valor é de R$ 180,00. Alunos do IPLA e estudantes até 25 anos têm desconto de 20%.
Vagas limitadas. É necessário que haja um número mínimo de inscrições para a realização do evento.
Este programa está sujeito a modificações.
Orientação científica: Jorge Forbes
Coordenação: Liége Lise e Elza Macedo
 
PROGRAMA
 
9h00 – 9h30: Café com bolo IPLA
9h30 – 10h30: Aula inaugural – O mundo contemporâneo e o curto-circuito da palavra – Dorothee Rüdiger
Dos laços sociais verticais para os laços horizontais, sociedade em rede e descentralizada. Do inconsciente simbólico ao inconsciente real. A interpretação do sintoma na clínica edípica. As multiplicidades de possibilidades e o risco da escolha. Opacidade sexual. Gozo. O Real não se liga a nada. Real sem lei. O sinthoma indecifrável. A identificação ao sinthoma. Uma nova categorização.
10h30 – 11h30: Aula 2 – Os novos sintomas – Teresa Genesini
O desbussolamento pulsional. Os novos modos de gozo: violência inusitada, escarificações, fracasso escolar, toxicomanias, anorexia, bulimia e epidemia depressiva. Epidemia de Medéias - a nova histeria. Monólogos articulados. Palavra diz, palavra toca. Geração mutante.
11h30 – 12h00: Café com bolo IPLA
12h00 – 13h00: Aula 3 – De que corpo se trata em psicanálise? – Alain Mouzat
O corpo como cabide de significantes. Alíngua (lalangue). O corpo que goza. Dois corpos: Leib e Körper. Um abismo entre o corpo biológico e a imagem que se tem dele. O sintoma como acontecimento de corpo. A relação sexual não existe. A responsabilidade só pode ser sexual. A vivificação do corpo. O Real é o mistério do corpo falante, é o mistério do inconsciente.
13h00 – 15h00: Horário de Almoço
15h00 – 16h00: Aula 4 – A clínica do Real e seus bisturis – Elza Macedo
A quebra das expectativas. A crueza. A nomeação do gozo. A surpresa e o deslocamento do gozo. Emprestando consequência. A clínica do ato. A “monstração”. A clínica irônica. A interpretação descompleta. O ressoar e a lógica sensível. O silêncio. A palavra poética. A presença do analista.
16h00 – 17h00: Aula 5 – A direção do tratamento – Liége Lise
Novos paradigmas clínicos. Desautorização do sofrimento prêt-à-porter. Uma clínica da aposta. Desabonamento do inconsciente. Além do prognóstico. Mudança de rota ou pensar com os pés. O silêncio. Sentir-se bem na própria pele. A psicanálise é uma ética. Um novo amor.