4 de febrero de 2014

[EBP-Veredas] LACAN COTIDIANO Nº 370 - PORTUGUÊS

Quarta-feira, 22 de janeiro de 2014  19h00 [GMT + 1]  
N° 370
Eu não teria perdido um Seminário por nada nesse mundo — Philippe Sollers
Nós ganharemos porque não temos outra escolha — AgnÈs Aflalo

Virus mutant  
por Jacques-Alain Miller

A linguiça[1] de Dieudonné é um ato de sodomia representado[2] com a ajuda dos membros superiores. Ela equivale a uma banana[3]. Em termos eruditos, diríamos: “eu enrabo” é a conotação desses gestos. Mas, quem é enrabado?

Quando eu dou uma banana, é “x”: aquele a quem eu falo ou de quem eu falo, meu chefe, minha mulher, Deus, todo mundo e ninguém. O contexto determina a variável. A lingüiça é mais esperta: enquanto banana, ela visa um x; variante desse gesto, ela visa os judeus. O segredo da lingüiça, é que se trata de um significante bífido, que tem por efeito tornar esfumaçado seu significado. Quanto mais o gesto é normatizado, indefinidamente reproduzível, tanto mais sua conotação fica instável, como um pisca - alerta. 

Todo o discurso de Dieudonné está construído de acordo com o que o precede: ele explora com arte a falha significante/significado. Segue-se um neo anti-semitismo ao mesmo tempo indubitável e invariavelmente denegado. Por mais numerosos, mais virulentos que sejam seus propósitos contra os judeus, o locutor lhe proíbe de concluir daí que ele é anti-semita. É o paradoxo lógico esclarecido pelo cardial Newman quando ele defendia outrora que dois mais dois não seriam quatro sem um ato de Deus.

Onde nasce o riso viral que Dieudonné suscita? Ele escande um duplo triunfo sobre o proibido: transgredimos um tabu nos inocentado dessa transgressão. O isso neutraliza o super eu, daí um ganho de gozo. Resultado: enquanto os rigores da lei desencorajaram grandemente a expressão raivosa do anti-semitismo, sua variante humorística se mostrou notavelmente adaptada à situação francesa. Nesse início de ano, esse vírus mutante estava finalmente pronto, após uma incubação de dez anos, para se replicar numa escala de massa.

Um fiat! foi então requisitado para por um fim à grande desordem lógico-linguística introduzida por Dieudonné no laço social. A República sendo o que ela é, laica, mas filha do Consulado e do Império, era necessário que não tendo um Deus, fosse o Estado que manifestasse sem cerimônia sua vontade.  Ele o fez por intermédio da sua mais alta jurisdição administrativa, criada por Bonaparte, o Conselho de Estado, expressão do sentido comum dos altos funcionários. Ao vírus mutante do anti-semitismo respondeu dessa forma uma mutação correlativa da jurisprudência. Ela ofuscou o público. Mas foi imediatamente replicada pelos tribunais administrativos.

Sendo o processo iterativo, pode-se esperar mutações de resistência do vírus incriminado. Logo Dieudonné se reinventa. Prepara-se para lançar significantes novos. Mas sua carga viral será menor. Espera-se vê-lo a termo reduzir-se a zero.

Publicado no Le Point de 16 de janeiro de 2014; texto ligeiramente corrigido.
______________________________________________________________________

- Bélgica: uma vitória para a
Psicanálise -

A arte da percussão

Entrevista com Patrícia Bosquin-Caroz

Lacan Cotidiano - O combate empreendido pela psicanálise na Bélgica conseguiu então saber fazer ouvir alguma coisa aos políticos. Você mesma, com outros, trabalhou com uma convicção e uma eficácia exemplares nesse sentido durante os cinco últimos meses. Os adiamentos repetidos dos políticos encontraram uma saída favorável, enquanto que uma passagem discreta por uma absorção da psicanálise pela psicoterapia tinha sido tentada. Quais são as associações analíticas implicadas e o que elas souberam fazer ouvir?

Patrícia Bosquin-Caroz – As associações analíticas que souberam fazer ouvir aos políticos que a psicanálise não é uma psicoterapia, mesmo se ela tem efeitos terapêuticos incontestáveis, são as associações lacanianas da FABEP (Federação das associações belgas de psicanálise), reunidas finalmente numa frente comum. Nós conseguimos aí uma verdadeira travessia a vários níveis. Inicialmente, a travessia da tela administrativa e política pois foi necessário atingir, convencer e percutir nossos eleitos. Em seguida, travessia das resistências internas, próprias ao movimento analítico; aí também não se tratava de um ganho prévio, porque todos, de início, não estavam convencidos de que seria necessário tirar a psicanálise de um projeto de lei visando regulamentar as profissões de saúde.

LC – O conjunto dos grupos analíticos, unidos no início do seu combate, conheceu desacordos, durante o percurso. Seria possível falar de explosão? Essas dissensões fazem sintoma, de acordo com você, quanto ao lugar da psicanálise na Bélgica, e além dela na Europa? Você poderia nos trazer um esclarecimento sobre as divergências que surgiram?

P. B.C. – Eu resumirei o desenrolar de nossa ação, à qual se enlaçam os acordos e  desacordos de uns e outros, psicanalistas ligados à IPA e psicanalistas lacanianos. Há cinco meses, as associações do campo freudiano na Bélgica, foram as primeiras a terem sido informadas de uma regulamentação em andamento da psicoterapia no enquadre de uma lei sobre a saúde mental. Um primeiro Fórum foi organizado denunciando o “rapto da psicanálise aos psicanalistas”, esta sendo rebaixada à sua estrita dimensão terapêutica e, pior que isso, absorvida na categoria de “psicoterapia analítica”. Nós convidamos para ele os representantes das outras associações. A idéia era de se unir no combate. Uma petição, cujo texto foi adotado pela FABEP, foi colocada on line, recolhendo 4979 assinaturas. Os ipeistas e os lacanianos demandavam nela, num “apelo dos psicanalistas” aos parlamentares, “a que as Escolas e Sociedades de psicanálise permaneçam habilitadas a assegurar a formação dos psicanalistas”.

Em novembro, ótima notícia: a Ministra da Saúde anunciava que a psicanálise não seria concernida pelo projeto de regulamentação das psicoterapias. Este engajamento oral da ministra foi confirmado num comentário de um artigo de lei ao qual nos faltava consolidar o valor jurídico: “O título e o exercício da psicanálise não são da alçada da presente lei...”.

Mas, lance de teatro: nós soubemos o recuo e a dessolidarização violenta de certos colegas. Numa correspondência aos parlamentares, eles pediam para integrar a psicanálise nas psicoterapias e colocava-os de sobreaviso contra as “associações prejudiciais”, apresentando-se como as associações psicanalíticas as mais antigas (o que é verdade) e as mais importantes em número (o que é falso) da Bélgica.

Lance de brilho! As divergências entre ipeistas e lacanianos se mostravam claramente. Algumas associações se retiraram da FABEP. Nossa ação acabava de sofrer um golpe. Parlamentares da Comissão saúde nos informaram que os psicanalistas estão “divididos”, os políticos estavam desorientados! E pediam para serem orientados.

Final de dezembro, tudo precisava ser recomeçado. A Comissão da saúde do Parlamento belga se reuniria em janeiro para votar a proposição antes do voto definitivo da Câmara. Novo Fórum, nova carta aos parlamentares, entrevistas com vários deles. Um verdadeiro acerto entre algumas associações lacanianas adquiriu então forma. Isso não foi sem efeito nos políticos! Pois os psicanalistas lacanianos saíam reforçados dessa divisão.

Será que os defensores da IPA tiveram medo de se encontrar fora da lei? É o que pensam alguns dos nossos interlocutores políticos. Entretanto, eles não explicam em que os psicanalista lacanianos os incomodam querendo permanecer fora da lei (o que não quer dizer fora da lei!), uma vez que o título de psicoterapeuta permanece acessível a todos (uma vez requisitados). O medo? Sim, mas de quê? Não seria antes a dimensão por onde a psicanálise toca no registro do real que perturba, motivando sua absorção no para todos das psicoterapias e com isso o apagamento da singularidade do sintoma? Certo, o ecletismo ipeista não lhe permite sem dúvida de se premunir contra o para todos da norma e suas pretensas virtudes curativas, enquanto que o ensino de Jacques Lacan nos serve de bússola nesse século XXI. Desde então, os ipeistas não se deixariam sobremaneira aspirar pelo campo das psicoterapias na falta de instrumentos conceituais para se distinguir delas, enquanto que os lacanianos se apóiam no real em jogo na experiência que sua doutrina permite formalizar?

Então, quid da FABEP? Nós veremos. Trata-se de prosseguir juntos o combate para que a psicanálise viva orientada pelo real do sintoma, seu incurável, seu incomparável. Em todo caso, a vitória dos lacanianos não será sem efeito sobre o futuro de uma federação de associações psicanalíticas.

LC – A ministra renuncia a todo projeto de regulamentação para a psicanálise na Bélgica? Persiste um perigo para a psicanálise? Você pensa que ainda deve se mobilizar?

P. B.C. – Na Bélgica, estamos às vésperas das eleições e a ministra da saúde obteve o que ela queria, uma legislação do campo da saúde mental. Ela conseguiu incluir a psicoterapia e a chamada “saúde mental” no campo da saúde. Quanto ao lugar da psicanálise que permanece “fora do campo”, extima, uma vez que nomeada como tal no comentário da lei, a ministra precisou que uma regulamentação não podia “tudo enquadrar”. Será que estamos pelo fato mesmo abrigados? A ministra não faz apelo a uma regulamentação, mas precisa que ela “não desconhece ... a necessidade de trabalhar com os psicanalistas pelo reconhecimento de seu título, se eles assim o desejarem”. Não se vai mais legiferar sem entrarmos em acordo, isso é uma conquista! Caso fracasse, prossegue ela: “Vai ser necessário nos colocarmos grandes questões ... uma parte da psicanálise está muito bem no enquadre dos cuidados de saúde, porque, num dado momento, a psicanálise pode ser concebida como algo diferente ...”. Ela evoca, em relação a isso, e a nomeia, a psicanálise leiga. Gravemos suas palavras em nossas memórias, mesmo que elas devam brevemente serem consignadas na relação da discussão parlamentar da Comissão e colocadas no site da Câmara, o quê, segundo fontes seguras, vale como proteção jurídica.

Claro, vamos ficar atentos o tempo que for necessário. Teríamos que avançar nisso no plano europeu.

LC – Você recebeu o apoio, nesse movimento pela psicanálise, de personalidades exteriores ao nosso campo?

P. B.C. – Sim, sobretudo por intermédio da petição que foi difundida na internet, sociólogos, filósofos, juristas ocupando postos importantes nas universidades belgas. Artistas pouco conhecidos ou renomados, como o realizador belga Luc Dardenne. Da mesma forma que numerosos médicos, psiquiatras, etc.

LC – Cinco meses de combate, conduzidos ao som de tambor, finalmente não é tão longo tempo. É um belo sucesso. Haveria na Bélgica um real, ou um estado de espírito, ou uma sensibilidade, mais em fase com a noção – tomemos apenas essa aí – de singularidade do “falasser” que limitaria a hostilidade à psicanálise?

P. B.C. – Eu lembraria a interlocução com certos parlamentares dos partidos humanistas. É evidente que eles têm uma afinidade com esta noção. Parece-me que o que os percutia era a noção de convicção, nossa autenticidade a querer defender o mais íntimo de cada um, a parte de maluquice que a psicanálise tenta preservar como seu bem o mais precioso. Tratava-se de fazer vibrar essa fibra aí, pois ele e nós exercemos profissões impossíveis, como escrevia Freud. Temos a ver com um real que o simbólico não pode reabsorver, recobrir (enquadrar, dizia nossa ministra). Alguns homens e mulheres políticos foram muito sensíveis a essa dimensão que escapa à terapêutica, que excede, a essa parte de incurável da qual podemos nos servir na existência. O Congresso da Euro Federação em Bruxelas no Palácio dos congressos, com o tema “Existe a saúde mental?” que reuniu 1500 participantes, os impressionou muito, assim como a Revista Mental na qual todas as intervenções são retomadas. Acrescentarei que quando lembramos nossa ação psicanalítica, não estamos do lado da educação, da correção, da formatação do outro, não nos colocamos fora da experiência que nós preconizamos, pois para nos tornarmos psicanalistas nós devemos passar por ela. (Supomos que os terapeutas TCC não se aplicam seus tratamentos!) Além disso nós colocamos mais o acento sobre a mutação subjetiva do que sobre os efeitos terapêuticos, o que interpela.

LC – A psicanálise pode existir sem combate?

P. B.C. – Não acredito, mas posso sonhar com isso! A psicanálise tem a ver hoje com o rolo compressor da fúria regulamentadora e com a fria e lisa máquina administrativa, às quais estão igualmente submetidas os eleitos políticos. Há pouco, ouvia no rádio a idéia de submeter o debate parlamentar à vigilância de uma câmera, sendo controlada diretamente pelo cidadão voyerista.  Para esses homens e mulheres políticos, é uma oportunidade que nós lhes oferecemos de defender conosco os valores democráticos, à condição que eles apreendam a oportunidade. Vimos na França e na Bélgica, com a multiplicação, nas ACF, fóruns concernentes à batalha do autismo. Nós conseguimos devolver suas cartas de nobreza ao debate democrático enfraquecido. Nesse sentido, o fórum constitui um verdadeiro instrumento o qual pudemos medir a força e eficácia na Bélgica. Gostaria de aqui cumprimentar a experiência francesa e eficácia do Nouvel Âne do qual nos inspiramos na Bélgica. Uma indicação preciosa nos tinha sido dada por ocasião da concepção do boletim Le Fórum des psychanalystes de fazer chegar aos parlamentares: “Tratava-se de mostrar a eles que nós somos esfolados, de atravessar a frieza administrativa e de lhes preservar nosso objeto a sanguinolento!”. Ultimamente, uma parlamentar nos dizia: “Vocês sabem fazer com a com!”. A preparação das recentes Jornadas da ECF foi exemplar em relação a isso. Pois bem, há a arte da comunicação, da difusão ... a ser desenvolvida para que viva a psicanálise no século XXI. A arte da percussão.

publicado por navarin éditeur
INFORMA E REFLETE todos os dias  A OPINIÃO ESCLARECIDA
Cuadrado negro pequeño comitê de direção
presidente eve miller-rose eve.navarin@gmail.com
redação catherine lazarus-matet  clazarusm@wanadoo.fr
conselheiro jacques-alain miller
Cuadrado negro pequeño redação
coordenação catherine lazarus-matet  clazarusm@wanadoo.fr
comitê de leitura pierre-gilles gueguen, jacques-alain miller, eve miller-rose, anne poumelleceric zuliani
edição cecile favreau, luc garcia, bertrand lahutte
Cuadrado negro pequeño equipe
Cuadrado negro pequeñopelo institut psychanalytique de l’enfant daniel royjudith miller
Cuadrado negro pequeñopor babel
-Lacan Quotidien na argentina e américa do sul de língua espanhola graciela brodsky
-Lacan Quotidien no brasil angelina harari
-Lacan Quotidien na espanha miquel bassols
- por Latigo, Dalila Arpin e Raquel Cors
- por Caravanserail, Fouzia Liget
-por Abrasivo, Jorge Forbes e Jacques-Alain Miller

difusão éric zuliani, philippe bénichou
Cuadrado negro pequeñodesigners viktor&william francboizel vwfcbzl@gmail.com
Cuadrado negro pequeñotécnica mark francboizel olivier ripoll
Cuadrado negro pequeñomediador  patachón valdès patachon.valdes@gmail.com

Cuadrado negro pequeño para seguir Lacan Quotidien :
Cuadrado negro pequeñoecf-messager@yahoogroupes.fr Cuadrado blanco pequeño lista de informação das atualidades da école de la cause freudienne e das acf Cuadrado blanco pequeño responsável : philippe benichou
Cuadrado negro pequeñopipolnews@europsychoanalysis.eu Cuadrado blanco pequeño lista de difusão da eurofédération de psychanalyse
Cuadrado blanco pequeño responsável : gil caroz
Cuadrado negro pequeñoamp-uqbar@elistas.net Cuadrado blanco pequeño lista de difusão da associação mundail de psicanálise Cuadrado blanco pequeño responsável : oscar ventura
Cuadrado negro pequeñosecretary@amp-nls.org Cuadrado blanco pequeño lista de difusão da new lacanian school of psychanalysis Cuadrado blanco pequeño responsáveis : dominque holvöet e florencia shanahan

Cuadrado negro pequeño EBP-Veredas@yahoogrupos.com.br Cuadrado blanco pequeño uma lista sobre a psicanálise de difusão privada e promovida pela AMP em sintonia com a escola brasileira de psicanálise Cuadrado blanco pequeñomoderator : patricia badari Cuadrado blanco pequeño traduction lacan quotidien au brésil : maria do carmo dias batista

para acessar o   site  LacanQuotidien.fr  CLIQUE AQUI.
 À atenção dos auteurs 
As propostas de textos para uma publicação no Lacan Quotidien são endereçadas por email ( catherine lazarus-matet  clazarusm@wanadoo.fr) ou diretamente no site lacanquotidien.fr  clicando em "proposez un article",
Em arquivo Word Cuadrado blanco pequeño Fonte : Calibri Cuadrado blanco pequeño Tamanho dos caractéres : 12 Cuadrado blanco pequeño Interlinha : 1,15 Cuadrado blanco pequeño Parágrafo : Justificado Cuadrado blanco pequeño Notas : manuias no corpo do texto, no final deste, fonte 10 

À atenção dos autores & editores
Para a rubrica Critique de Livres, queiram endereçar suas obras a NAVARIN ÉDITEUR, à Redação de Lacan Quotidien – 1 rue Huysmans 75006 Paris. 

________________________________________________________________________
Tradução: Fernando Coutinho

Comunicação: Maria Cristina Maia Fernandes
  



[1] NT Quenelle é uma espécie de croquete de peixe ou de carne, geralmente em formato oblongo que é servida em geral grelhada ou cozida no vapor, uma espécie de linguiça.
[2] NT Mimé representado como mímica ou pantomima.
[3] NT Mandar alguém se foder, dar uma banana “bras d’honnerur” em francês.

__._,_.___

No hay comentarios: